22/06/2017

10 cantores populares na Assembleia de Deus

Imagem: Reprodução.

     Como já dito no texto anterior (leia aqui), a Assembleia de Deus é uma igreja pentecostal extremamente sexista e machista em sua organização. Nesta mesma organização, cabe ao homem pregar e a mulher cantar. Não se enganem: isso é puro machismo. O homem prega, levando o conhecimento a todos e a mulher canta, encantando a todos com sua doce e agradável voz. Entretanto, há aqueles que, intencionalmente ou não, desafiam esta ordem vigente. Assim, da mesma forma que existem mulheres que pregam, existem homens que louvam. A lista que segue abaixo traz o nome de dez cantores de diversas épocas que tiveram suas canções entoadas na maior denominação evangélica e pentecostal do país. Nem todos são da Assembleia de Deus, mas pelo fato de seus hinos terem sido (e ainda são) entoados pelas ADs Brasil afora, eles acabaram entrando nesta lista.
      Quando se fala em música pentecostal, logo vem em mente nomes como Shirley Carvalhaes, Mara Lima, Sofia Cardoso, Andréa Fontes, Lauriete, Elaine de Jesus, Cassiane, Vanilda Bordieri, Eliane Silva, Elaine Martins, Suellen Lima, Rose Nascimento e muitas outras. Entretanto, por mais que sejam maioria neste segmento, as mulheres não são as únicas. A lista abaixo traz o nome e o currículo de dez cantores que não necessariamente são pentecostais, mas que suas canções são entoadas nas ADs. Confira:

1 - Ozeias de Paula: 

Imagem: Reprodução. 

     Ozeias de Paula nasceu em Muriaé (Minas Gerais) no ano de 1951. É filho de pastor e irmão mais novo da dupla Otoniel e Oziel, falecidos em um acidente automobilístico no ano 1976. O contato de Ozeias com a música começou ainda na infância, sendo antecedido pelos irmãos. Sua carreira profissional começou em 1969, quando os irmãos Otoniel e Oziel o convidaram para uma participação no disco deles, cujo título era Oásis do Amor. Depois disso, Ozeias começou a cantar em igrejas, congressos e outros eventos evangélicos, até que no ano de 1971 gravou seu LP solo Gozo da Salvação.
      Ao longo de seu ministério, Ozeias passou por diversas gravadoras e está em atividade até hoje. Em seu currículo constam cerca de 20 discos gravados. No Youtube, os vídeos de Ozeias de Paula somam milhões de visualizações, provando que o mesmo ainda é muito popular.

2 - Armando Filho:

Imagem: Reprodução.

     Armando Filho é um cantor gospel pernambucano que tem mais de 35 de ministério. Gravou seu primeiro disco no ano de 1980, cujo título é Por um Momento Só. Entretanto, Armando ganhou grande notoriedade em 1990 com o álbum Final Feliz. A canção O Mover do Espírito (conhecida popularmente como Quero que Valorize) é deste mesmo álbum e não é equívoco nenhum dizer que  a mesma é um clássico da música cristã brasileira. Tal canção fez um enorme sucesso nos anos 1990 e é lembrada até hoje. Nenhuma Condenação Há e Tente um Pouco Mais também são de Armando Filho e podem também ser consideradas clássicos da música cristã brasileira. Tente um Pouco Mais foi regravada por Rose Nascimento e dá título a um álbum da cantora que foi lançado em CD e DVD no ano de 2015.

3 - Álvaro Tito:

Imagem: Reprodução.

     Em 1980, Álvaro Tito fez parte do conjunto musical Sublime Louvor  ao lado dos primos. Quando foi contratado pela extinta gravadora Desperta Brasil, Álvaro já colecionava troféus que ganhava em concursos musicais patrocinados por igrejas. Tais prêmios foram conquistados entre a infância e a adolescência de Álvaro. Um detalhe curioso é que enquanto os demais competidores cantavam músicas de cantores gospel renomados da época, Álvaro se inscrevia (e ganhava) cantando músicas de sua autoria.
     Foi com o álbum Não Há Barreiras (1986) que Álvaro Tito se tornou conhecido em todo o país. O disco foi gravado pela transnacional PolyGram (hoje Universal Music). A partir deste mesmo disco Álvaro passou a produzir e arranjar seus discos, além de tocar bateria. Na época, tal fato levantou a resistência dos diretores da gravadora que Álvaro fazia parte. Era no mínimo imprudente creditar a um rapaz então com 21 anos a produção fonográfica de um disco de grande porte. No entanto, o resultado surpreendeu a gravadora  e o público.
     Muitos discos vieram após o Não Há Barreiras (1986) e o talento do autor/cantor influenciaram cantores como Marquinhos Gomes e Kleber Lucas. Álvaro Tito é versátil e já passeou pelo reggae, soul, jazz, balada, salsa e guarânias. Ao longo de seu ministério, já vendeu cerca de dois milhões de cópias.

4 - Sérgio Lopes: 

Imagem: Reprodução.

     Sérgio Lopes é um cantor gospel brasileiro que tem mais de 30 anos de ministério. Além de cantar, Sérgio toca violão, guitarra e baixo. Serviu à Marinha do Brasil, é graduado e pós-graduado em Direito, mas é na música que Sérgio Lopes é realizado. Com o grupo Altos Louvores, Sérgio gravou três discos, a saber: Anseios Volume 2 (1986), Para Onde Vão as Aves Volume 3 (1988) e Brilhante (1989), cuja faixa título deste álbum é de sua autoria. Desde 1990, quando gravou seu primeiro trabalho solo, Sérgio Lopes soma um total de 20 discos gravados. Destaque para dois discos de ouro que ganhou pelo álbum Apocalipse (2004) e Lentilhas (2005).

5 - Mattos Nascimento: 

Mattos Nascimento é de uma família cujos membros são envolvidos com a música. Imagem: Reprodução.

     Mattos Nascimento é um músico, cantor e trombonista. Na década de 1980, fez parte da famosa banda Paralamas do Sucesso. Se tornou evangélico e desde então se dedica exclusivamente à música cristã, gravando mais de 50 álbuns solo.

6 - Wilian Nascimento:

Wilian e Mattos Nascimento são de uma mesma família, que é conhecida no meio gospel por ser uma família envolvida com a música. Créditos na imagem. 

      Wilian Nascimento iniciou sua carreira na música quando era jovem, uma vez que sua família é conhecida no meio evangélico por ser envolvida com a música. Nos anos 1990, fundou com um grupo de amigos o Grupo Melody, que mais tarde mudaria seu nome para Melosweet, que em português significa "doce melodia". O grupo alcançou notoriedade e no ano de 2006 foi contratado pela MK Music. Wilian Nascimento já foi backing vocal de Cassiane, Fernandinho e Elaine de Jesus.
      Wilian deixou o grupo Melosweet e desde então tem se dedicado à sua carreira solo, lançando os álbuns Lugar Mais Alto (2008), Agir de Deus (2010), Levanta Tua Voz (2012) e Não Vou Desistir (2015). Os três primeiros álbuns lhe renderam disco de ouro. Já foi indicado ao Troféu Talento e ao Grammy Latino. Em 2014, fundou com as primas Gisele e Michele Nascimento o Trio Nascimento. O single Chegou o Avivamento caiu no gosto do público.

Obs.: Sim, Wilian e Mattos Nascimento são parentes, mais especificamente sobrinho e tio. Eles fazem parte da família Nascimento, conhecida no meio cristão por seu envolvimento com a música. Rose Nascimento, Mattos Nascimento, Marcelo Nascimento e Tuca Nascimento são irmãos e membros desta ilustre família. Wilian Nascimento, Michele Nascimento e Gisele Nascimento são sobrinhos dos irmãos aqui citados e conhecidos no meio musical evangélico.

7 - Anderson Freire:

Anderson Freire é um respeitado cantor e compositor gospel. Imagem: Reprodução. 

      Anderson Freire é um cantor, compositor, produtor musical, arranjador e multi-instrumentista brasileiro. Compôs grandes sucessos para Aline Barros, Davi Sacer, Bruna Karla, PG, Fernanda Brum, Damares e muitos outros. Identidade (2011), seu primeiro álbum solo, lhe rendeu um disco de plantina. Já com o álbum Raridade (2013), Anderson ganhou um disco de diamante. Anderson Freire tem ainda um disco de ouro no currículo. Já com o disco Deus Não te Rejeita (2016), Anderson Freire foi premiado com o Grammy Latino na categoria Melhor Álbum Cristão de Língua Portuguesa. Identidade, Canção do Céu, Coração Valente, A Igreja Vem, Raridade, Um Novo Endereço (com Ariely Bonatti), Acalma o Meu Coração, Efésios 6 e Ele Chegou são apenas alguns dos sucessos de Anderson Freire e que não cantados nas ADs de todo o país.

8 - Leandro Borges:

Leandro Borges é um cantor muito popular na região sul do Brasil. Imagem: Reprodução Facebook

      Leandro Borges é um cantor brasileiro do sul do país. Canta desde os seis anos de idade em um conjunto cujo primo era o líder. Começou a compor quando tinha sete anos de idade e aos doze já era reconhecido como o compositor mais jovem do Brasil. Leandro já compôs músicas para cantores como Suellen Lima, Vanilda Bordieri, Eliane Silva, Alexandre Bernardino, Sandrinha, Célia Sakamoto e muitos outros. Deus, Eu e Meu Violão (2013), Pelo Reino de Deus (2015) e A Canção Que Escrevi pra Deus (2017) são os álbuns gravados por Leandro.
      Suas músicas mais conhecidas são: Cancela o Funeral, O Segredo da Madrugada, O Silêncio de Deus (em parceria com Clayton Queiroz), Prefiro Ser Fiel e Cresça (em parceria com Vanilda Bordieri).

9 - Arlon Oliveira:

Arlon Oliveira é um cantor conhecido na região norte do Brasil. Imagem: Reprodução. 

     Arlon Oliveira é um cantor conhecido na região norte do Brasil, onde nasceu e vive. Ele já viajou para vários estados do país e já até cantou nos Gideões Missionários da Última Hora (GMUH), o maior evento missionário do mundo, realizado anualmente no estado de Santa Catarina. Arlon Oliveira canta na igreja desde criança e o seu primeiro CD solo A História foi lançado em 2012. Dois anos depois, o jovem lançou o álbum Bem-Vindo Espírito Santo. Uma canção de destaque deste CD é O Sopro do Espírito, em parceria com Eliane Silva. As músicas de Arlon costumam seguir o estilo pentecostal e o cantor já afirmou ser influenciado por cantoras do ramo como Cassiane e Damares.

10 - Thiago Alves:

Assim como Leandro Borges, Thiago Alves é um cantor popular na região sul do Brasil. Imagem: Reprodução. 

     Thiago Alves é apontado como uma das promessas da música pentecostal. Thiago começou a cantar aos cinco anos de idade na cidade de Rio Negro, Paraná, onde viveu até os sete anos, quando se mudou para Curitiba. Se destacava nos solos que fazia nos conjuntos da igreja que congregava. Começou a receber convites para cantar em outras congregações e em 2009, com apenas 14 anos de idade, participou do Programa Levitas, que era apresentado por Cassiane.
      Em 2013, o cantor lançou seu primeiro CD, intitulado Não Negarei Minha Fé. O CD se destaca pela produção de alta qualidade. Com a produção executiva da Louvor Eterno, maior gravadora gospel da região sul do Brasil, o álbum em questão traz composições  de Moisés Cleyton, Elizeu Gomes e das irmãs Gislaine e Mylena, renomados compositores cristãos. Além disso, a faixa-título e a canção Não Temas foram compostas pelo próprio Thiago. O CD foi masterizado no Crystal Clear Sound (EUA) e tem a participação da The Bratislavia Symphony Orchestra (Eslováquia), responsável pela trilha sonora de As Crônicas de Nárnia e demais sucessos do cinema. Ainda sobre este mesmo CD, o mesmo traz canções que já haviam sido gravadas por renomadas cantoras pentecostais. Entretanto, Thiago deu uma nova versão para as mesmas e uma destas foi O Senhor do Reino é Ele, que está no repertório do CD Escolhidos (2012), de Elaine de Jesus. Particularmente, considero a versão do Thiago melhor do que a da Elaine.

Conclusão

     Há cantores homens, que não seguem necessariamente o estilo pentecostal, que fizeram a história das Assembleias de Deus no Brasil, marcando épocas e gerações com suas músicas. Este fato nos leva a refletir acerca do papel da mulher e do homem dentro desta mesma denominação. 

20/06/2017

10 mulheres pregadoras da Assembleia de Deus

Imagem: Reprodução.

     A Assembleia de Deus é uma igreja pentecostal que no último dia 18 de junho completou 106 anos de sua existência em terras brasileiras. Eles acreditam na atualidade do Batismo no Espírito Santo e dos dons espirituais, além de possuírem rígidos modos de vida. 
      A Assembleia de Deus é conhecida por ser uma igreja machista. É uma igreja feminina, mas machista. Feminina porque o número de assembleianas é maior que o de assembleianos e machista porque quem tem a palavra final são os homens. Estes mesmos homens limitam ao máximo o ministério feminino. A mulher assembleiana só pode liderar conjunto infantil, dar aulas bíblicas para crianças, limpar a igreja, cuidar da cantina, cuidar da obra social e dirigir os cultos de oração. Esta organização é rígida, mas não inquebrável. A lista que segue abaixo traz o nome de dez mulheres pregadoras da Assembleia de Deus que atuaram em diferentes épocas e seus respectivos currículos. Intencionalmente ou não, o fato é que estas mulheres desafiaram a lógica machista assembleiana. Confira: 

1 - Frida Vingren:


Frida Vingren ao laodo do esposo Gunnar Vingren. O marido de Frida era a favor do ministério feminino. Imagem: Reprodução. 

     É no mínimo inadmissível falar de ministério feminino nas Assembleias de Deus no Brasil e não falar em Frida Vingren. Frida era casada com Gunnar Vingren, um dos fundadores da Assembleia de Deus no Brasil. Frida nasceu na Suécia, onde fez curso universitário em Enfermagem e chegou a ser chefe da enfermaria no hospital onde trabalhou. Frida se dedicou também a fotografia. Seus pais eram crentes luteranos e foi neste ambiente que a futura senhora Vingren cresceu. Mais tarde, se tornou membro da Igreja Filadélfia de Estocolmo, recebendo posteriormente o batismo no Espírito Santo e o dom de profecia. Frida Vingren fez um curso bíblico de oito meses no Instituto Bíblico no país de origem. 
     Já casada com Gunnar Vingren e mãe de vários filhos, alugaram uma casa em São Cristóvão, na cidade do Rio de Janeiro, onde foi inaugurado o primeiro salão de cultos da Assembleia de Deus do Rio de Janeiro. Junto ao marido, Frida desenvolveu intensas atividades evangelísticas, abrindo frentes de trabalho em vários lugares. O trabalho social da igreja, a direção dos grupos de oração, a visitação e a evangelização ficaram sob a responsabilidade de Frida. Além disso, Frida dirigia a escola bíblica e nos cultos fazia a leitura bíblica inicial. Tocava órgãos, violão e cantava hinos. Substituía o marido na direção dos cultos quando este fazia uma viagem ao campo missionário ou por causa das enfermidades que o mesmo teve ao logo da vida. Foi também dirigente oficial dos cultos na Casa de Detenção, além de pregar nas praças e jardins da cidade do Rio de Janeiro. 
      Frida colaborou para os jornais Boa Semente, O Som Alegre e Mensageiro da Paz. Foi também comentarista das Lições Bíblicas da Escola Dominical na década de 1930. Na Harpa Cristã, há 24 hinos cuja autora é Frida Vingren (16 versões e 8 autorias). Hoje, devido às releituras da História, Frida Vingren é reconhecida como a primeira mulher a pastorear uma Assembleia de Deus no Brasil.

2 - Emília Costa:


Emília Costa (a mulher negra e alta em pé na última fileira) foi consagrada diaconisa por Gunnar Vingren. Imagem: Reprodução. 

     Provavelmente, a separação de Emília Costa para o diaconato pode ter sido influenciada pelo ministério de Frida Vingren. Quem executou tal tarefa foi Gunnar Vingren. Na época, Emília era membro da Assembleia de Deus do Rio de Janeiro, onde o casal Vingren eram os líderes. Emília foi a única a ocupar este cargo na igreja. Ela era ativa na evangelização, além de trabalhar realizando cultos nas cadeias da cidade do Rio de Janeiro. Na Convenção Geral das Assembleias de Deus de 1933, realizada na AD do Rio de Janeiro, Emília é a única mulher brasileira que aparece na foto oficial, provavelmente por ser reconhecida como uma obreira da igreja e por ter frequentado o evento. 

3 - Élida Andrioli Vieira:


Élida ao lado do esposo. O casal é pioneiro na Assembleia de Deus catarinense. Imagem: Reprodução. 

     Élida Andrioli Vieira é uma das primeiras crentes da Assembleia de Deus do estado de Santa Catarina. Em relato ao Mensageiro da Paz no ano de 1933, a jovem conta como se deu sua conversão. Segundo seu relato, viveu 22 anos de sua vida apenas ouvindo falar de Jesus, até que um dia ouviu André Bernardino da Silva, fundador da Assembleia de Deus catarinense, pregando acerca da doutrina pentecostal. Impressionada com as pregações, Élida se converteu ao evangelho e passou a colaborar com o crescimento da AD na região litorânea de Santa Catarina. Segundo Paulo Vieira Marques, filho de Élida, a mãe era uma jovem comunicativa, destacada e dinâmica nas atividades da igreja. Por essas qualidades, Gunnar Vingren a separou para o diaconato. 
      Quanto a atuação da jovem Élida, o próprio fundador da AD em Santa Catarina dá um relato no jornal Mensageiro da Paz sobre o assunto. André Bernardino conta que esteve 15 dias em Ilhota com um grupo de crentes. Neste período, houve batismos com o Espírito Santo e um batismo em águas realizado por André logo após esse período. Com base nas informações dadas pelo pioneiro, percebe-se que Élida foi a responsável pela pregação, discipulado e orientação dos novos convertidos. Bernardino relata em certo momento que, após voltar para casa depois de um batismo em Ilhota, adoeceu ao voltar para casa, não podendo atender a Escola Dominical em Itajaí, "mas a irmã Élida foi em meu lugar". Esta fala revela a importância e a responsabilidade da jovem obreira. Provavelmente, existiam obreiros do sexo masculino, mas a importância e a confiança depositada em Élida são evidentes. Ao longo da vida, Élida continuou trabalhando dentro da AD durante toda a sua vida e faleceu aos 82 anos de idade. 

Obs.: se vocês leram bem até aqui, perceberam que as mulheres até aqui citadas tiveram seus ministérios incentivados por Gunnar Vingren. O missionário sueco era amplamente a favor do ministério feminino, além de ser também favorável ao ensino teológico formal. Entretanto, nas convenções da Assembleia de Deus ele e a esposa foram voto vencido na maioria das propostas que sugeriram. Além disso, os problemas de saúde que Gunnar adquiriu o impediram de continuar a frente da Assembleia de Deus no Brasil. Desta forma, se conclui que se Gunnar Vingren tivesse liderado a Assembleia de Deus por mais tempo, ela não seria o que conhecemos hoje.

4 - Ester Ungur:


Ester (à esquerda), a mãe Milda, o pastor Ungur e a irmã Dulci. Imagem: Reprodução.

      Ester tem um airmã mais nova e é filha de pais assembleianos. Começou a tocar bandolim aos 11 anos de idade e aos 15 era a professora da classe infantil da Escola Bíblica Dominical. Quando o pai pastoreou uma igreja em Mafra, ela trabalhou nas Casas Pernambucanas para ajudar na renda familiar. Era uma época em que, dependendo da igreja, o salário mal dava para as despesas domésticas.
      Ainda em Mafra, a primogênita dos Ungur começou a desenvolver peças teatrais, jograis e apresentações. Certa feita, ao ministrar um estudo bíblico na cidade de Francisco Beltrão (sudoeste do Paraná), o pastor João se sentiu mal e Ester, que conhecia o assunto muito bem, continuou com a preleção iniciada pelo pai. Tomou gosto pela coisa e com o aval do pai, começou a pregar e ensinar. Além disso, Ester liderou a juventude da Assembleia de Deus em Florianópolis, foi regente do Coral Esperança e Vozes de Sião. Foi sob a organização de Ester que ocorreu o segundo congresso de jovens em Santa Catarina, capital, no dia 01 de março de 1968. Mesmo com a jubilação de João Ungur e a sua morte em 1971, Ester continuou seu ministério de pregadora e ensinadora da Palavra de Deus. Tanto Ester quando a irmã Dulci nunca se casaram. Elas afirmam que tal decisão foi em obediência a Deus, pois muito antes de nascerem foram apresentadas ao Senhor. Atualmente, as irmãs moram em um simples apartamento de 90 metros quadrados em São José (Santa Catarina). O imóvel foi comprado graças a uma herança dos avós e alguns recursos economizados durante muito tempo.

5 - Irmã Estalícia (Stanislava  Budkowski):


Estalícia ao lado do esposo Manoel: atuação intensa dentro da Assembleia de Deus. Imagem: Reprodução. 

      Stanislava Budkowski, ou simplesmente irmã Estalícia (1885-1967) é um dos principais nomes do ministério feminino das Assembleias de Deus no Brasil em seus primeiros anos. Estalícia nasceu em Varsóvia, capital da Polônia, em 1885. As guerras na região levaram a família de Estalícia a sair do país de origem e migrar para o Brasil. Posteriormente, a família e a jovem se mudaram para Portugal por conta das enfermidades adquiridas pelo pai. De volta ao Brasil, ainda muito nova, a jovem se casou com o militar Manoel Inácio de Araújo. O casal passou por alguns estados e fixaram residência no Rio de Janeiro. No então Distrito Federal, após experimentar uma cura divina, Estalícia começou a frequentar a Igreja Batista. Conheceu a doutrina pentecostal na Assembleia de Deus em Marechal Hermes (RJ) e posteriormente Estalícia e o marido passaram a ser membros da Assembleia de Deus em Madureira, cujo pastor era Paulo Leivas Macalão. 
      O ministério de Estalícia foi marcado por revelações e curas, além de pregar em cultos, cruzadas evangelísticas e fazer parte da comitiva de obreiros liderada por Macalão em visita  às igrejas de Madureira no interior do Brasil. A atuação de Estalícia releva uma lado não muito conhecido de Paulo Leivas Macalão, então  líder da Assembleia de Deus em Madureira: o apoio ao ministério feminino. 

6 - Helena Raquel:


Helena Raquel é uma pregadora brasileira bastante conhecida. Imagem: Reprodução Facebook

      Helena Raquel é uma pregadora assembleiana conhecida em todo o país. É bacharel em Teologia, graduada pela Faculdade Evangélica das Assembleias de Deus (FAECAD) e pastora da Assembleia de Deus em Vila Pacaembu (ADVIP). É uma das poucas mulheres que pregaram nos Gideões Missionários da Última Hora (GMUH), o maior evento missionário do mundo que é realizado anualmente em Camboriú, Santa Catarina.

7 - Camila Barros:


Assim como a cunhada Helena Raquel, Camila Barros é uma pregadora bastante popular no país. Imagem: Reprodução. 

      Casada com o pastor Eduardo Gonçalves, irmão da renomada pregadora Helena Raquel (de quem já falamos acima), Camila Barros é uma pregadora que é membro da Assembleia de Deus Vitória em Cristo (ADVEC). Camila é uma jovem pregadora que é uma referência no mundo pentecostal da atualidade, em especial para muitas mulheres. Assembleiana tradicional, as mensagens de Camila costumam ser enérgicas e cheias de autoridade. Ela tem milhares de seguidores nas redes sociais e seus vídeos também possuem milhares de visualizações. 

8 - Andréa Nogueira dos Santos:


Andréa é uma pregadora com um vasto curriculo. Imagem: Reprodução

      Andréa Nogueira dos Santos nasceu em Anápolis, mas foi criada em Goianápolis, ambos municípios brasileiros do estado de Goiás. Filha de lavradores, cresceu cooperando nas congregações rurais  da Assembleia de Deus ligada ao ministério de Anápolis. Na infância, gostava de ser a pregadora nos cultos infantis. Um tempo depois, começou a cantar na igreja fazendo dueto com a irmã Adriana. Na igreja, cantava com o marido e cooperava nos cultos e festividades. Em casa, estudava a Bíblia e procurava ler bons livros. Percebendo o esforço de Andréa, o pastor da igreja onde congregava começou a dar oportunidades para a moça pregar.
      No ano de 2002, Andréa, o esposo e o filho foram para Joinville, Santa Catarina. Na cidade catarinense, começou a fazer o curso de bacharel em Teologia na faculdade Refidim, onde era uma das únicas mulheres da classe. Estudava no período da manhã e à tarde voltava para estudar. Contratada pela Refidim, Andréa desenvolveu algumas funções até chegar a função de secretária. Concluiu o bacharelado em Teologia, cursou Secretariado-executivo e fez pó-graduação em Aconselhamento Cristão. Atualmente, leciona na própria faculdade, onde também é coordenadora de cursos. Em setembro de 2016, estava concluindo o mestrado em Teologia pela Escola Superior de Teologia (EST), no Rio Grande do Sul. Além disso, Andréa exerce o ministério de louvor com a família e é uma pregadora bastante requisitada, sendo uma excelente oradora e de forte presença no púlpito. Atualmente, André se dedica ao projeto Bíblia Mais. A finalidade dos vídeos postados regularmente com mensagens curtas e objetivas é abordar temas teológicos de forma acessível ao grande público.

9 - Aparecida Borges: 


Aparecida Borges é uma exímia pregadora. Imagem: Reprodução. 

      Aparecida Borges exerce o ofício da pregação há mais de 25 anos. Costuma pregar em congressos e grandes eventos evangélicos. Já pregou em várias regiões do Brasil e até no exterior. É uma das poucas mulheres a pregar nos Gideões Missionários da Última Hora (GMUH). Ao que tudo indica, Aparecida Borges não tem contas em redes sociais. Entretanto, há um canal no Youtube, que até a finalização deste texto já possuía mais de 470.000 visualizações, que tem o objetivo de lançar na rede vídeos com as pregações de Aparecida. A agenda de Aparecida Borges é organizada pela filha Kássia Borges.

10 - Isa Reis:


Os vídeos de Isa Reis nas redes sociais costumam ter milhões de visualizações. Imagem: Reprodução. 

       Até a conclusão desse texto, a conta de Isa Reis no Facebook era seguida por mais de 380.000 pessoas. No Instagram, pouco mais de 300.000 pessoas costumam seguir Isa Reis . Casada com o bacharel em Direito e escritor Geldi Batista, Isa é mãe de três filhos. Isa é uma pregadora e missionária pela Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil (CGADB) e é presidente do Projeto Social e Missionário "Aviva Dorcas". Seus vídeos no Youtube somam milhões de visualizações e apenas um deles, adicionado no site há cinco meses atrás, já foi visto mais de dois milhões de vezes. A popularidade de Isa é tanta que a missionária já pregou até nos EUA. Tudo isso mostra que Isa Reis é uma referência para muitas pessoas.
      Isa reis e Camila Barros, que possuem contas em redes sociais, mostram que as mesmas são uma potente ferramenta na divulgação de seus trabalhos evangelísticos.

Conclusão

     Mesmo tão dura em sua organização, a Assembleia de Deus no Brasil possui brechas e alguns se utilizam destas para se sobressaírem. As mulheres pregadoras são um exemplo disso. Mesmo as que foram citadas aqui e muitas outras são excelentes na exposição dos textos sagrados. Entretanto, elas não têm o devido reconhecimento e posição ocupadas pelos homens. Além disso, os muitos líderes e organizações da Assembleia de Deus parecem praticamente ignorar a atuação das mulheres. 

15/06/2017

O crescente número de pessoas que estão abandonando a fé cristã no Brasil

Imagem: Reprodução.

     Templos evangélicos surgem a cada dia mais e mais, praticamente em cada esquina há uma igreja evangélica. Cantores gospel já são presença carimbada em programas de televisão e o número de jogadores evangélicos é cada vez maior. Além disso, o número de cristãos que fazem parte da Bancada Evangélica e/ou que são evangélicos cresce constantemente também. Uma pessoa que olha por este viés pode acreditar que o número de cristãos evangélicos está crescendo constantemente no país. Entretanto, basta uma análise mais ampla para perceber que a situação não é bem esta.
      A cada dia surgem templos evangélicos Brasil afora. Esse fenômeno pode ser explicado em parte pelo fato das igrejas possuírem imunidade tributária, reduzindo consideravelmente os custos para manter um templo e, desta forma, facilitando a construção de mais e mais templos. A presença de cantores gospel em programas de televisão é um reflexo do crescimento do número de evangélicos no país, uma vez que há pesquisas que comprovam que os religiosos são consumidores vorazes e fiéis. Cassiane, Bruna Karla, Aline Barros, Damares e Fernanda Brum são apenas alguns dos cantores evangélicos renomados que aparecem com frequência em programas de televisão. Desta forma, a presença de uma personalidade gospel na TV é sinônimo de audiência garantida.

Jogadores da seleção brasileira oram em campo após partida. Imagem: Reprodução.

      Algo que têm me chamado a atenção é o crescimento de jogadores evangélicos de uns tempos para cá. Este fato me chama a atenção por dois fatores. O primeiro é que historicamente a relação entre evangélicos (em especial os pertencentes a Assembleia de Deus) e futebol nunca foi amistosa. Se um cristão jogasse futebol, ele poderia ser excluído do rol de membros da denominação. Atualmente, esta relação não é completamente amigável, mas é bem mais tranquila. O segundo fator é que, como vocês já sabem, eu frequentei a Assembleia de Deus por mais de dez anos (leia sobre o assunto aqui). As lideranças que tive ao longo desse período não proibiam os membros de jogarem futebol, desde que se fosse jogado apenas com cristãos. Isso porque uma pessoa não cristã poderia xingar e agredir a todos, manchando a reputação de um cristão, que não deve se envolver em tais coisas. Observações à parte, o fato é que a presença de jogadores evangélicos é cada vez maior no futebol. Eles oram antes e depois de entrarem em campo, agradecem a Deus quando faz gol e/ou quando o time vence e adoram postar versículos bíblicos e mensagens religiosas nas redes sociais. É fato que nem todas estas pessoas são evangélicas praticantes, mas falaremos sobre isso mais adiante.
      O reflexo do crescimento do número de evangélicos no Brasil pode ser visto também na política. Ano a ano a presença de políticos evangélicos nas esferas legais de poder aumenta. Além de ignorarem o fato de que o Estado é laico, os mesmos se acham perseguidos e a presença de cristãos na política seria uma forma de evitar essa suposta perseguição. É a lógica do irmão vota em irmão.
      Entretanto, da mesma forma que há um crescimento do número de cristãos evangélicos (cujos reflexos foram mostrados acima) no país, o número de pessoas que largam tal fé também cresce igualmente. Vim de uma família cujos parentes são em grande maioria assembleianos e, da mesma forma que há familiares que são da Assembleia de Deus, há também familiares que não mais fazem parte desta denominação. Conheço jovens que vi no conjunto de crianças da igreja e que agora estão no tráfico (este fato é um dos fatores que estreitam as ligações entre igrejas evangélicas e tráfico de drogas) e alguns dos mesmos são filhos de pessoas com cargos na igreja e consequentemente foram criados em um lar cristão. Provavelmente, os pais destas crianças se preocuparam em ganhar o mundo e esqueceram de ganhar a própria família.

Imagem: Reprodução. 

      Como já dito, da mesma forma que há pessoas se convertendo a fé evangélica, há pessoas que a  rejeitam. Em 2009, o blog MP VIDA publicou na íntegra uma reportagem da revista Enfoque acerca da grande quantidade de pessoas afastadas do Evangelho, fato que já chamava a atenção há oito anos atrás (leia aqui). Segundo esta mesma reportagem, o número de pessoas que deixaram de ser evangélicas era em torno de 30 a 40 milhões. A matéria afirma também que, se essa grande quantidade de pessoas não tivessem largado a religião, a crença evangélica contaria com 70 milhões de adeptos, quase metade da população brasileira, que na época era de 180 milhões de pessoas. É bom frisar que esta matéria é de 2009. Com isso, provavelmente o número de afastados aumentou e a população brasileira também. O blog em questão destaca  que os motivos para tal fato são variados, como por exemplo: mudança de situação de vida, desencantamento com membros e pastores e entre outros. Já segundo a matéria reproduzida, os motivos podem ser: brigas internas, legalismos, decepções com a liderança, sensação de abandono e falsas profecias e promessas de prosperidade não concretizadas são os principais motivos de uma lista grande que levam as pessoas a abandonarem a fé. A reportagem destaca também o descaso com que alguns pastores lidam com a questão, uma vez que o trabalho de resgatar as pessoas afastadas praticamente desapareceu em muitas igrejas. Isto contribui para que o número de pessoas que deixam de ser evangélicas aumente. Além disso, um pastorado que não se preocupa com as almas perdidas é um pastorado incompleto.
      Outro fator que contribui também para que o número de pessoas afastadas da fé evangélica seja tão grande é o modo arcaico com que as igrejas se organizam e agem, em especial as tradicionais. Certa feita, em uma reunião do grupo jovens que eu fazia parte, um dos líderes se queixou por conta da dificuldade de achar um horário para que toda a mocidade estivesse reunida. Ele complementou sua fala dizendo que em sua época os ensaios do grupo musical começavam às duas tarde e iam até às seis porque eles de fato gostavam daquilo, algo que ele julgava não estar acontecendo no conjunto que ele liderava. Entretanto, uma coisa que ele parecia não entender é que na época dele as pessoas pobres chegavam no máximo no Ensino Médio (hoje a situação é um pouco melhor. Um pouco) e olhe lá. Atualmente a situação é outra. Os jovens estão estudando mais, se qualificando mais, aprendendo outros idiomas e tirando carteira de motorista por exemplo. Não só os jovens, mas os evangélicos de modo geral costumam viajar, ir ao cinema e ir a estádios de futebol. Foi-se o tempo em que os cristãos não se preocupavam com a vida terrena. Além disso, os congressos de jovens do campo da Assembleia de Deus que fazia parte às vezes começavam as festas na segunda-feira ou na quarta e iam até domingo. Para uma pessoa que trabalha e estuda, como é a realidade de muitos jovens, uma festa com uma duração dessas é um prejuízo enorme. Quem, por inúmeras razões, deixou de ficar dias sem ir à universidade sabe do que estou falando.
      Um termo que tende a se tornar cada vez  mais popular é o "evangélico não praticante". Este termo tem o mesmo significado que o "católico não praticante": são pessoas que se declaram evangélicas e que em algum momento praticaram os ritos desta crença. Entretanto, por inúmeras razões, estas pessoas não são adeptas desta religião, mas possuem a fé baseada nesta mesma crença. Este mesmo termo já é usado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Os jogadores de futebol que costumam orar em campo, agradecer a Deus por cada vitória e escrever versículos bíblicos nas redes sociais, mas que na prática  não vivem de acordo com a fé evangélica podem ser encaixados nesta categoria.

Conclusão

      O grande número de não evangélicos pode ser explicado por vários fatores, tais como: brigas internas, legalismo, calúnias, profecias e promessas não cumpridas, decepções com a liderança e um discurso que não condiz com a realidade são parte de uma lista de vários motivos que podem levar uma pessoa a abandonar sua fé. Este é um fenômeno cuja tendência é só aumentar e é fundamental as lideranças religiosas lidarem com tal.

13/06/2017

A aguda crise vivida pelo cristianismo no continente europeu

Interior da igreja de Saint-Jacques, atualmente demolida. Imagem: Reprodução.

     Tradicionalmente, a Europa é considerada o berço do cristianismo. Muitas dinastias europeias eram tradicionalmente cristãs católicas e, além disso, este mesmo cristianismo esteve aliado ao Estado na colonização de terras nas Américas Portuguesa e Hispânica. Além disso, foi na Europa que houve a Reforma Protestante, dividindo para sempre o cristianismo. O continente europeu foi também o berço do pentecostalismo, cujo apogeu deste movimento foi no século XX, onde houve avivamentos em várias partes do mundo e missionários europeus foram enviados a diversos países a fim de propagar a fé pentecostal. Entretanto, nos últimos tempos o cristianismo tem vivido momentos difíceis na Europa. Pouquíssimas pessoas frequentam a igreja, o número de pessoas que professam a fé cristã diminui a cada dia, igrejas têm virado espaços de lazer e até estão sendo demolidas.
      Tradicional e historicamente, a Europa é um continente cristão. A doutrina cristã católica estava no currículo escolar de muitas dinastias. Aliás, a Idade Média é um período denominado na História onde este mesmo cristianismo esteve no poder na Europa e influenciou a vida particular e privada de muitas pessoas. Exaltação ao corpo, sexualidade e pesquisas científicas eram assuntos proibidos neste período. Este época chegou ao fim com o Renascimento, que aconteceu durante a Idade Moderna. O Renascimento é o resgate da cultura da Antiguidade Clássica, em especial de Grécia e Roma. Foi também neste mesmo período histórico que houve a Reforma Protestante. Martinho Lutero é o representante máximo deste movimento. Lutero era um católico que estava indignado com os erros doutrinários cometidos pelas lideranças católicas. Lutero expôs esta indignação e houve uma divisão dentro do cristianismo. É importante lembrar que em nenhum momento Lutero tinha a intenção de criar uma nova corrente religiosa. O que aconteceu é que nem todos concordaram com o que foi exposto por Lutero e foi aí que o movimento se dividiu. A Igreja Católica tentou conter o então novo movimento cristão, mas a divisão era irreversível.

Imagem ilustrativa mostrando Lutero pregando as 95 teses na Igreja do Castelo de Wittenberg, na Alemanha. Imagem: Reprodução. 

     O século XX foi uma época de ouro para o movimento pentecostal porque foi o período em que o movimento esteve em seu auge. O pentecostalismo é uma corrente teológica histórica que teve grande popularidade no século XX. O boom do pentecostalismo começou na Europa, mais especificamente no País de Gales, entre os anos de 1904-1905 no episódio conhecido como Avivamento de Gales. A figura mais conhecida deste movimento é Evan Roberts, o caçula de dois irmãos que foi criado em um lar cristão. Assim como todo avivamento, inclusive os que ocorreram posteriores a este em várias regiões do mundo, o Avivamento de Gales foi caracterizado pela conversão em massa de várias pessoas, o forte desejo de viver segundo a Bíblia e a execução de prodígios e sinais miraculosos. Motivados pelo Avivamento de Gales, cristãos dos EUA começaram a orar pedindo um avivamento por lá. A oração foi respondida e o Avivamento da Rua Asuza entrou para a história. O fogo pentecostal chegou em terras brasileiras por meio dos missionários suecos Daniel Berg e Gunnar Vingren. Os missionários europeus chegaram ao país em 1910 e no ano seguinte era fundada a Assembleia de Deus, maior denominação pentecostal e evangélica do Brasil. A fim de ajudarem na propagação da nova doutrina, missionários da Noruega, Polônia, Ucrânia e principalmente da Suécia vieram ao Brasil para evangelizar e fundar novas igrejas. Missionários vindos dos EUA também ajudaram a propagar a doutrina pentecostal, mas os europeus foram essenciais nessa tarefa. O trabalho não foi em vão e a prova disso é que por volta da década de 1950 a quantidade de crentes pentecostais pertencentes a Assembleia de Deus era considerável em território nacional. A chegada de missionários europeus ao Brasil mostra que a Europa ainda era o berço do cristianismo no século XX, mas por mais quanto tempo?

Daniel Berg (esquerda) e Gunnar Vingren (direita). Os missionários fundaram a Assembleia de Deus no Brasil. Imagem: Reprodução. 

      Nas últimas décadas o número de pessoas que se declaram cristãs está diminuindo cada vez mais na Europa. Isto é refletido na crescente quantidade de templos que são destruídos ou transformados em locais de diversão. Segundo um site português, mais de 1.000 igrejas foram fechadas na Holanda desde a década de 1970 até hoje. Muitas foram demolidas ou foram vendidas para serem usadas para outros fins. A livraria Selexys foi construída no prédio da igreja de Maastricht. A adaptação fez com que o local fosse considerado pelo jornal britânico The Guardian a livraria mais bonita do mundo. Ainda com relação à Holanda, eu tenho uma amiga que há quase dois anos está morando neste país. Conversando com ela sobre a Holanda, ela que contou que perto da casa da família do marido há uma igreja, mas praticamente ninguém frequenta a mesma. Além disso, ela me contou também que não conheceu ninguém que professasse a fé cristã. Em Amsterdã, capital da Holanda, uma igreja construída no século XIX se transformou em uma renomada casa de espetáculos. Em Utrecht, também na Holanda, uma antiga igreja deu lugar a um café. A falta de fiéis e a consequente falta de condições para manter os prédios são os principais motivos que levam os líderes a venderem os templos.
       No ano de 2016, um relatório francês anunciou a demolição de 2.800 templos cristãos, a maioria com mais de um século de existência. A decisão foi tomada porque os custos com as demolições são menores que os custos com a restauração. Em 2013, a Igreja de São Jacques, em Abbeville, edificada em 1868, foi demolida a um custo total de 350.000 euros. Este custo é menor que o orçamento para restauração. Como o número de fiéis diminuiu muito nas últimas décadas, a igreja estava praticamente abandonada. Para muitas cidades francesas, a falta de interesse e o alto valor dos terrenos onde os templos foram construídos não justificam o investimento em restauração. Desde 2007, quanto tal decisão foi tomada, várias igrejas deram lugar a shoppings, lojas, prédios de apartamentos ou estacionamentos. A Igreja da Inglaterra, conhecida no resto do mundo como Episcopal Anglicana, possui 16.000 templos no Reino Unido. Com o cristianismo entrando em declínio, assim como na maior parte da Europa, a opção administrativa foi fechar pelo menos 2.000 templos. Nesses locais costumam se reunir menos de dez fiéis. A maioria é idosa e as ofertas são de baixo valor. Isso torna os custos com a manutenção inviáveis.

Catedral de Canterburry, na Inglaterra -um dos principais templos da Igreja da Inglaterra, mundialmente conhecida como Igreja Episcopal Anglicana ou simplesmente Igreja Anglicana. Assim como no continente europeu em geral, o cristianismo passa por momentos difíceis na Inglaterra. Imagem: Reprodução. 

     Situação semelhante está acontecendo na Alemanha. Templos católicos e evangélicos históricos estão sendo vendidos e/ou demolidos. Os que sobrevivem de pé dão lugar a salas de arte, são transformados em locais para aulas de esportes e até local de armazenamento para empresas. Na Holanda, o número de pessoas que se declaram sem religião é de 40% e a previsão é que esse número chegue a 70% em 2050. Pelo andar dos acontecimentos, esta não é uma tendência somente na Holanda.
      A grande questão é entender porque isso está acontecendo na Europa, tarefa que não é assim tão simples. Se no passado o cristianismo viveu um período áureo foi porque esta mesma religião de certa forma atendeu aos anseios da população naquele momento. Com o tempo, a sociedade mudou e seus desejos e expectativas também mudaram. Entretanto, parece que o discurso do cristianismo continua o mesmo. É como a crise vivida pelo catolicismo, onde a figura de Papa Francisco entra em ação para estancar a evasão de fiéis. Isso aconteceu por meio de reformas dentro da igreja e pela mudança de postura do papa. De certa forma, pode-se dizer que Papa Francisco está sendo bem sucedido em seu trabalho, pois sua figura é bastante popular e o mesmo consegue passear e ser querido pelos mais diversos setores da sociedade.
      Esta crise  que a religião cristã passa na Europa não é de hoje e cantores e pregadores cristãos que foram ao continente europeu já deram seus relatos, onde tal crise é refletida. Alguns até fundam igrejas por lá, mas são igrejas fundadas por brasileiros e para brasileiros. Os nativos mesmo não frequentam a igreja, somente latino-americanos. O modo como os europeus entendem sobre Deus não é o mesmo que nós, habitantes da América Latina, entendemos sobre Deus. Desta forma, quando os latino-americanos vão para a Europa, eles falam de Deus de acordo com suas concepções. Vocês acham mesmo que esses cantores gospel que se acham celebridades, esses pregadores que fazem coisas bizarras nas igrejas Brasil afora e esses "objetos consagrados" vão de fato se consolidar na Europa? Os europeus são conhecidos pelo seu grande rigor teológico.

Conclusão

      A crise do cristianismo é uma realidade em diversos países da Europa. Por conta da pouca quantidade de membros, Igrejas estão sendo fechadas e dando lugar a bibliotecas e locais de entretenimento em geral. Já outras estão sendo demolidas. Enquanto historiador, é muito triste para mim ver isso, pois é um monumento histórico que está sendo destruído. A fim de findar esta crise, o cristianismo precisa rever a sua estrutura e adequá-la a realidade atual. Fazer isso é uma questão de sobrevivência.

08/06/2017

Evangélicos pentecostais: um grupo que é vítima de preconceito dentro do próprio grupo

Imagem: Reprodução.

     Eles são vistos de forma pejorativa pelos cristãos de outras vertentes. Além disso, eles são o alvo preferido dos programas humorísticos. Tudo o que é relacionado aos pentecostais é alvo de deboche: o modo como se vestem, as gírias próprias deste segmento, a sua liturgia de culto e o modo como enxergam o mundo. Assim, se conclui que os pentecostais são perseguidos dentro e fora de seu grupo.

Templo da Assembleia de Deus que ficava em Joinville, Santa Catarina. A edificação foi demolida em 1984 para dar lugar a um templo maior e mais moderno. Imagem: Reprodução. 

     No Brasil, a denominação conhecida como representante máxima da doutrina pentecostal é a igreja Assembleia de Deus, que chegou ao país em 1911. Mundialmente, esta mesma igreja é conhecida como "mãe do pentecostalismo". Nos primeiros anos a então nova doutrina viu a resistência de cristãos e denominações, mas não demorou muito para que a mesma fosse aceita pela população, fazendo a Assembleia de Deus crescer vertiginosamente nos anos seguintes. A Assembleia de Deus cresceu e influenciou outras denominações, que deixaram de rejeitar a doutrina pentecostal. Além disso, ainda influenciados pela Assembleia de Deus, houve a criação de novas denominações pentecostais, como a Igreja Pentecostal Deus é Amor e a Igreja Pentecostal o Brasil Para Cristo por exemplo. Ainda hoje, milhares de igrejas pentecostais são criadas Brasil a fora.
      Antes de continuarmos é essencial entender que no Brasil não existe PENTECOSTALISMO, mas sim PENTECOSTALISMOS. Isso porque os cristãos pentecostais não são unidade no país. Eles possuem modos de vida variados, liturgias variadas e religiosidade também variadas. Eles podem até ter um ou outro ponto em comum, mas não há unidade entre os mesmos. A própria Assembleia de Deus não é diversa e o que existe na verdade são ASSEMBLEIAS DE DEUS. Isso porque, por mais que a denominação tenha um órgão central e alguns outros próprios de sua denominação, na prática a igreja não caminha em unidade. A Assembleia de Deus não tem um órgão que detenha seu nome ou coisa parecida, o que leva a possibilidade de qualquer pessoa abrir uma igreja denominada Assembleia de Deus. Além disso, a Assembleia de Deus possui costumes diferentes, liturgias diferentes e até doutrinas diferentes, uma vez que muitas denominações substituíram a doutrina pentecostal pela Teologia da Prosperidade. Mesmo com todas as especificidades aqui citadas, um estudo sobre o movimento pentecostal é possível.

Membros da Assembleia de Deus de Florianópolis em pose para foto. Repare na sobriedade das roupas. Imagem: Reprodução. 

      A Assembleia de Deus começou a se expandir e logo a sua identidade foi construída. As mulheres assembleianas não podiam cortar os cabelos, fazer as sobrancelhas, usar maquiagem, usar pendentes (com exceção do relógio de pulso e aliança), usar blusa sem manga, usar calça comprida, saia curta e pintar as unhas. Já os homens assembleianos não podiam usar blusa sem manga, usar bermuda, deixar os cabelos e as barbas crescerem. Repare que os costumes assembleianos são mais rígidos com as mulheres e eu já falei sobre isso aqui. Além disso, homens e mulheres assembleianos não podiam usar roupas de tecidos muito chamativos, ouvir música secular, assistir televisão e nem ouvir rádio. Estes costumes foram abolidos total ou parcialmente em algumas ADs. A Assembleia de Deus se expandiu rapidamente devido a uma estratégia de evangelização e também devido a assembleianos que, ao viajarem para outros lugares, se ofereciam voluntariamente para pregar a mensagem pentecostal no destino para onde estavam indo. Por conta disso, da mesma forma que a AD se popularizou rapidamente, seus costumes também se popularizaram da mesma forma.
      Os assembleianos e pentecostais (são termos similares, mas não sinônimos) costumam ser vistos pelos demais cristãos como pessoas com pouca ou nenhuma escolaridade e que usam o místico para tudo: eles pregam por revelação divina, ensinam por revelação divina e tomam atitudes por relevação divina. E é esta mesma falta de conhecimento que levam cristãos a reproduzirem de forma pejorativa o suposto modo errôneo como eles falam "glória", que no meio pentecostal seria "grôria". Além disso,  o modo como os crentes da AD se vestem é motivo de piada. Nem a doutrina pentecostal está isenta de perseguições. Há cristãos de outras denominações (e até mesmo da própria AD) que zombam da experiência do batismo no Espírito Santo, cuja evidência física é o falar em línguas estranhas. Façam uma busca e não terão dificuldade em encontrar cristãos que imitam crentes pentecostais quando os mesmos estão falando em outras línguas. Outra coisa que também é motivo de piada são os "corinhos" (conjunto de canções do cancioneiro popular que são comum entre as igrejas pentecostais de modo geral) e a liturgia pentecostal de forma geral. Tais costumam ser reproduzidos de forma jocosa e debochada.

A imagem mostra a pomba e o fogo, dois símbolos do Espírito Santo. No dia de Pentecostes, o Espírito Santo desceu como língua de fogo sobre os crentes. As ADs e as igrejas pentecostais em geral pregam a atualidade deste evento. Créditos na imagem. 

      Além de serem vítimas de preconceito dentro do meio evangélico, os pentecostais também são vítimas daqueles que não são evangélicos. Em filmes e novelas, os cristãos pentecostais são retratados de forma estereotipada já descrita neste texto. Além disso, programas humorísticos retratam os pentecostais desta mesma forma, além de debocharem dos mesmos. Isso acontece porque, para começo de conversa, a doutrina pentecostal não é unanimidade em muitas denominações. É fato que os crentes pentecostais são maioria no Brasil e é fato também que as igrejas pentecostais são populares no país, mas isso não significa que a rejeição que a doutrina pentecostal encontrou em seus primeiros anos no Brasil tenha desaparecido por completo. A doutrina pentecostal costuma "dar pano pra manga" porque não há consenso em torno do assunto. Isso pode ser explicado em parte pelo fato de uma vertente ter se sobressaído entre as demais. Os adeptos desta mesma vertente acreditam que o "mover do Espírito" só acontecerá se haver corinhos, pandeiros e bateria. Além disso, eles gostam de entoarem muitos louvores e é comum que seus cultos terminem tarde. Bem tarde.
      Ser pentecostal não tem nada a ver com o que foi descrito no parágrafo acima. Pentecostal vem de pentecostes, uma referência ao episódio descrito em Atos 2, onde línguas como de fogo desceram sobre os fiéis e os mesmos foram cheios do Espírito Santo. Além disso, a doutrina pentecostal acredita na atualidade dos dons espirituais que o apóstolo Paulo os descreve em suas cartas. Resumidamente falando, é esta a crença da doutrina pentecostal. Estas pessoas que falam em línguas desenfreadamente sem um intérprete e que cantam corinhos em seus cultos (como que somente desta forma Deus visitasse Sua igreja) vivem a doutrina pentecostal de forma distorcida. Isso porque as manifestações sobrenaturais da parte divina ocorrem de forma espontânea.
      É de extrema importância destacar que este texto não pretende colocar os crentes assembleianos ou da crença pentecostal em geral como vítimas. Isso porque, da mesma forma que os pentecostais são perseguidos, eles também perseguem. Os assembleianos se acham superiores por conta de seus rígidos costumes, em um pensamento prepotente de que só eles possuem doutrina. A prepotência se torna ainda maior porque eles acreditam que só eles possuem o Espírito Santo. Segundo eles, as denominações que não seguem seus costumes não tem em seu meio a terceira pessoa da Santíssima Trindade. A influência das Assembleias de Deus no Brasil é vista também nas instâncias legais de poder. A igreja em questão tem o maior número de políticos que compõem a Bancada Evangélica. Juntos dos demais políticos evangélicos (onde nem todos frequentam uma igreja pentecostal), estas pessoas barram pautas de caráter progressista e que vão de encontro aos seus dogmas. Criação de leis relacionadas à questões LGBT, ao aborto e à igualdade de gênero por exemplo não costumam ser aprovadas por políticos que fazem parte da Bancada da Bíblia. Esta prática consiste em uma perseguição aos grupos sociais historicamente marginalizados.

Conclusão

      Os pentecostais, não apenas aqueles que frequentam a Assembleia de Deus, sofrem preconceito dentro e fora de seu próprio grupo. Os cristãos de outras denominações zombam a liturgia e os costumes dos pentecostais. Já os programas televisivos retratam os mesmos de forma jocosa e estereotipada. Entretanto, isso não significa que os pentecostais são vítimas nesta história, pois eles também exercem o papel de perseguidor. Eles exercem este papel ao se julgarem superiores aos demais crentes e ao perseguirem grupos marginalizados, utilizando as esferas legais de poder para exercerem tais práticas. 

01/06/2017

Neymar - as muletas da seleção brasileira

Neymar é o atual capitão da seleção brasileira de futebol. Imagem: Reprodução. 


     Neymar é um jogador de futebol que atualmente joga no Barcelona. É, sem dúvidas, o maior nome do futebol brasileiro na atualidade. Consequentemente, ele acaba sendo o maior nome da seleção brasileira, levando a uma espécie de "neymardependência".
      Neymar é um rapaz de família humilde que nasceu em Mogi das Cruzes, região metropolitana de São Paulo. Neymar se mudaria para São Vicente e em seguida para Santos. O jovem iniciou sua carreira nas categorias de base da Portuguesa Santista em 1998. Foi transferido para o Santos em 2003 e depois de seis anos foi promovido ao elenco principal. A carreira de Neymar havia decolado de vez. O futebol do jovem chamou a atenção do futebol mundial e em 2013 foi transferido para o Barcelona, onde permanece até a atualidade. A venda de Neymar para o Barcelona é considerada a venda mais valiosa de um clube brasileiro. O clube desembolsou cerca de 88 milhões de euros para ter o craque em seu elenco. Entretanto, para o jornalista Paulo Vinicius Coelho, o maior valor arrecadado por um clube brasileiro ocorreu na transferência de Vinícius Júnior (Flamengo) para o Real Madrid. Isso porque Neymar custou mais de 80 milhões de euros ao Barcelona, mas o Santos ficou com 17 milhões. Já o Flamengo ficou com 100% dos 45 milhões de euros pagos pelo Real Madrid.

Suárez, Neymar e Messi. Os três jogadores são os maiores craques do Barcelona na atualidade e compõe o trio intiulado MSN (Messi, Suárez e Neymar). O salário dos craques são astronômicos. Imagem: Reprodução. 

      O talento de Neymar é reconhecido e a grande quantidade de prêmios que o jogador já recebeu são  a prova disso. Somente de prêmios individuais, Neymar foi a Revelação do Campeonato Paulista de 2009, Melhor Jogador do Campeonato Paulista de 2010, Melhor Jogador da Copa Libertadores da América de 2011, Bola de Prata da Revista Placar nos anos de 2010 e 2011, Bola de Ouro da Revista Placar em 2011, Chuteira de Ouro da Revista Placar 2010, 2011 e 2012, Terceiro Melhor Jogador do Mundial de Clubes da FIFA de 2011, Melhor Jogador da Copa das Confederações de 2013 e o Terceiro Melhor Jogador do Mundo pela FIFA Ballon d'Or de 2015. Esta é uma pequena amostra dos prêmios individuais de Neymar. A lista  aqui citada é muito maior e a mesma não inclui os prêmios coletivos, ou seja: aqueles alcançados pelos clubes que Neymar fez parte. Tamanho talento não passaram despercebidos pelos técnicos da seleção brasileira e em 2014 Neymar estava defendendo a seleção na Copa do Mundo de 2014.

Momento em que o jogador colombiano Zuñiga atinge as costas de Neymar com uma joelhada. O golpe foi seríssimo e a carreira de Neymar poderia ter chegado ao fim. Imagem: Getty Images.

     A Copa do Mundo de 2014 foi realizada no Brasil e a seleção anfitriã participou da mesma. A seleção brasileira teve seu desempenho criticado em campo e praticamente todas as vitórias durante o torneio foram obtidas com muito esforço. Entretanto, a mesma não escapou do fatídico 7 x 1 contra a Alemanha. Foi uma derrota vergonhosa e a impressão que se tinha era de que um time de elite estava jogando contra um time amador. A derrota não foi maior porque a seleção alemã foi humana e reduziu o ritmo de seu jogo. Neymar era peça fundamental na seleção brasileira de 2014 e foi crucial em momentos decisivos. A lesão sofrida pelo craque o tirou do jogo contra a Alemanha e neste momento a "neymardependência" se tornou evidente: "se Neymar estivesse jogando, isso não tinha acontecido", "ah se Neymar estivesse em campo" e "se Neymar estivesse bom, o hexa seria nosso" foram apenas algumas expressões usadas para evidenciar que a seleção dependia de Neymar. A seleção brasileira foi muito criticada e o Neymar foi uma das poucas exceções.
      A derrota humilhante que a seleção brasileira sofreu da Alemanha fez acender o sinal de alerta acerca da má situação que o futebol brasileiro vivia (ou talvez ainda vive). O então técnico Dunga foi demitido e em seu lugar entrou Tite. Thiago Silva deixa de ser o capitão da seleção e depois de um tempo quem passa a usar a braçadeira é Neymar. A atitude de Dunga gerou críticas, pois Neymar é considerada uma pessoa impulsiva e imatura para exercer tal cargo. O  ex-futebolista Carlos Alberto, capitão da seleção brasileira quando o Brasil foi tricampeão, também criticou o ato de Dunga. O ex-jogador disse que para ser capitão do time não precisa necessariamente ser o melhor futebolista e completou dizendo que se fosse assim, o Pelé seria o capitão das três Copas do Mundo que participou. Ainda segundo Carlos Alberto, além de encorajar os demais jogadores, o capitão de um time de futebol tem que ter uma postura de diálogo e conversa perante os dirigentes e o treinador. Carlos Alberto não encontrou tais características em Neymar.

Neymar com a braçadeira de capitão durante  jogo do Brasil. A escolha de Neymar para tal função não é unanimidade. Imagem: Reprodução. 

      A fala do ex-jogador Carlos Alberto faz sentido. Se para ser capitão tem que ser o melhor jogador, Pelé, como o mesmo disse, teria sido o capitão da seleção nas três Copas que participou. Se fosse assim, Messi seria o capitão do Barcelona; se fosse assim, Cristiano Ronaldo seria o capitão do Real Madrid e se fosse assim, Luis Suárez seria o capitão da seleção uruguaia. Questionamentos à parte, o fato é que Neymar é o capitão da seleção. Ele foi escolhido por Dunga para tal posto e posteriormente Tite também o escolheu como capitão (Neymar havia voltado atrás e após uma conversa com Tite resolveu reassumir o posto). Falando em Tite, depois que o mesmo se tornou o técnico da seleção brasileira, a mudança no time é visível. O Brasil conseguiu vitórias importantes e já está classificado para a Copa de 2018. Tem gente que acha que o hexacampeonato está garantido. Isso porque a seleção brasileira voltou a ser a melhor do mundo, posto que não ocupava desde 2010. A euforia é grande.
      Além das razões acima citadas, outra razão que faz muitos brasileiros sonharem com o hexa é a presença de Neymar, provando mais uma vez a "neymardependência". O time escalado por Tite é bom, mas parece que a dependência em Neymar ainda persiste. Esta mesma dependência é reproduzida pelos grandes meios de comunicação. Sempre que tem jogo da seleção brasileira, ao invés de a notícia vim acompanhada com uma foto de toda a seleção, a mesma vem apenas com a foto do Neymar. Aliás, qualquer notícia da seleção brasileira costuma vim na maioria dos casos acompanhada com uma foto de Neymar. É como se a seleção se resumisse a ele. Um time de futebol é composto de várias pessoas onde a vitória depende da atuação do coletivo. Sempre vai ter um que vai se destacar, isso é inevitável. Entretanto, isso não significa que o coletivo deva ser deixado de lado. Garrincha (1933-1983) é até hoje ídolo do Botafogo, já Zico é o ídolo do Flamengo e a Marta e a Formiga são a grande destaque da seleção feminina de futebol. Mas é como já foi dito aqui: no futebol, o coletivismo não deve ser substituído pelo individualismo.

Conclusão

      Neymar é o maior nome do futebol brasileiro na atualidade e a seleção brasileira ainda se apoia nele. Não tem como negar a importância do craque e o seu talento, pois tais contribuem para o time. Porém, um time inteiro não deve confiar em uma única pessoa, mas sim um deve confiar no outro. Se a "neymardependência" continuar, o hexa será um sonho distante e a qualidade do futebol brasileiro abaixo do esperado. 

Leia também:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...