06/02/2017

Os reais propósitos da Operação Lava - Jato

A Operação Lava - Jato é realizada pela Polícia Federal. Imagem: Reprodução.

     A Operação Lava - Jato poderia ter entrado para a história como um marco na política brasileira onde a corrupção foi cortada pela raiz. A operação já entrou para a história, não tenha dúvidas disso. Entretanto, a mesma está entrando para a memória por seu caráter seletivo. 

Graça Foster foi indicada pela então Presidente da República Dilma Rousseff para a presidência da Petrobras, se tornando a primeira mulher no mundo a presidir uma companhia petrolífera. Imagem: Reprodução. 

     No primeiro semestre de 2014 a grande mídia começou a noticiar que havia um grande esquema de corrupção na Petrobras. Era ano de eleições presidenciais e a mídia golpista começou a dar ênfase no envolvimento do Partido dos Trabalhadores (PT) em tal esquema. Graça Foster era a presidente da Petrobras quando a Operação Lava - Jato começou, revelando um esquema de corrupção que logo chocou o Brasil e o mundo. Este fato colocou Graça em uma relação difícil com a Presidência da República e com a própria Petrobras, uma vez que a operação investigava pessoas do mais alto escalão da empresa. Além disso, havia o prejuízo que o esquema de corrupção causou na Petrobras. Na época, entre os anos de 2014 e começo de 2015, estimava-se que o prejuízo estivesse na ordem dos R$ 88 bilhões. Hoje, em 2017, após as dezenas de desdobramentos da investigação, este prejuízo deve ser muito maior.

Edifício - sede da Petrobras, no centro da cidade do Rio de Janeiro. A Petrobras é o alvo principal da Operação Lava - Jato. Imagem: Reprodução. 

     A Operação Lava - Jato continuou ao longo de 2014 e a grande mídia dava grande ênfase ao caso, dando um destaque maior ao envolvimento de políticos do PT no esquema. Além disso, a grande mídia enfatizava também a possibilidade de a então Presidente Dilma Rousseff e o ex - Presidente Lula estarem envolvidos no esquema. Não há nada que comprove a participação da Dilma ou de Lula na operação, mas a mídia golpista noticia como se os mesmos estivessem. Se o PT está sendo massacrado pela mídia, o mesmo não acontece com o PP, o PMDB e principalmente o PSDB. Foi em meio a estas denúncias de corrupção que ocorreram as eleições presidenciais de 2014. Dilma e Aécio Neves foram os mais votados e disputaram o segundo turno das eleições. Em uma disputa eleitoral extremamente acirrada (mais até do que a de Fernando Collor e Lula, em 1989), Dilma foi reeleita para um mandato de mais quatro anos. A oposição, inconformada com o resultado das urnas, sugeriram a recontagem dos votos, acusaram Dilma de quebrar regras da campanha eleitoral e tentaram mais uma vez associar seu nome a Operação Lava - Jato. Todas as tentativas falharam. A solução foi ir às ruas e pedir o afastamento de Dilma.

Pessoas pedindo o afastamento de Dilma Rousseff da Presidência da República em marcha realizada em São Paulo. Imagem: Reprodução.

     No ano de 2015 houve várias manifestações pedindo o afastamento da presidente Dilma Rousseff, sendo as da cidade de São Paulo e Rio de Janeiro as mais numerosas. Pessoas vestindo a blusa do Brasil, enroladas na bandeira do país e com os rostos pintados gritavam "Fora, Dilma!". Não havia (e nem há) base legal para o afastamento de Dilma Rousseff, a questão é que algumas pessoas estavam incomodadas com o fato de o PT, um partido de origem popular, estar no poder e ter proporcionado o acesso a bens de consumo que outrora a população mais pobre não tinha acesso. É de extrema importância ressaltar dois pontos. O primeiro é que em 2013 o Brasil entrou em uma profunda crise política, moral e econômica sem precedentes na história. Um modelo de política se mostrou esgotado. Os desdobramentos das manifestações de Junho de 2013 se mostram presentes até hoje. O segundo ponto é a indignação seletiva da população, em especial daqueles que pediram o afastamento de Dilma. Políticos dos mais diversos partidos e das várias esferas políticas estão envolvidos na Operação Lava - Jato, mas a mídia golpista e a maioria da população só enxerga o PT. A corrupção não começou com o PT, muito pelo contrário. A corrupção é uma prática histórica na política brasileira. O erro do PT foi ter dado continuidade a esta prática, o que é tão grave quanto.

O político Eduardo Cunha permaneceu na Câmara dos Deputados enquanto era conveniente. Depois foi descartado. Imagem: Gustavo Lima/ Câmara dos Deputados/ fotos públicas. 

     Em fevereiro de 2015, Eduardo Cunha foi eleito presidente da Câmara dos Deputados. O político em questão é acusado de vários esquemas de corrupção, de ter contas na Suíça e é até citado na Operação Lava - Jato. Entretanto, pelo fato de suas pautas interessar a um determinado grupo de pessoas, ele permaneceu na  presidência da Câmara. Político conservador e de direita, Cunha tentou reduzir a maioridade penal (o que é inconstitucional), dificultar o atendimento de mulheres vítimas de estupro e aprovou o pedido de impeachment de Dilma Rousseff. A mídia golpista se mostrava indignada com Eduardo Cunha, mas na prática o usava como um instrumento para afastar Dilma Rousseff, que não é envolvida em nenhum escândalo de corrupção. Meses depois do afastamento de Dilma, Cunha foi afastado da Presidência da Câmara e preso. O político havia sido usado e descartado. É importante lembrar que o afastamento de Dilma não era legal, mas só foi concretizado por causa do anti-petismo e por causa também do fato de muitos políticos no Congresso Nacional estarem envolvidos em escândalos de corrupção, que viam no impeachment a possibilidade de serem absolvidos de seus respectivos crimes.

O juiz Sérgio Moro em conversa com Aécio Neves. O juiz é acusado de ter uma postura parcial. Imagem: Reprodução.

     Já o juiz Sérgio Moro ganhou status de celebridade por julgar em primeira instância os crimes investigados na Operação Lava - Jato e, assim, se tornou um suposto paladino da justiça no Brasil. Entretanto, o comportamento de Moro é extremamente questionável. O juiz se mostra parcial, procurando blindar o PMDB e o PSDB e procurando a todo instante incriminar Lula, mesmo não havendo provas para tal. O juiz chegou ao ponto de grampear o telefone da Presidência da República e liberar uma conversa particular e nada reveladora de Dilma e Lula. Por outro lado, as denúncias de corrupção contra políticos do PSDB e PMDB são varridas para debaixo do tapete. O comportamento de Sérgio Moro tem sido criticado até no exterior, onde um órgão das Organizações das Nações Unidas (ONU) aceitou a denúncia de Lula contra o juiz, que é acusado também de ter ligações com a CIA, o serviço de espionagem dos EUA. Além disso, deputados norte-americanos criticaram Sérgio Moro e defenderam Lula em uma carta (leia aqui). Se no Brasil, Lula é criticado e Moro ovacionado, no exterior acontece exatamente o inverso. Sérgio Moro é mais uma peça no processo de desmoralização do PT, algo que já deu resultados nas Eleições 2016. Em 2012, o partido elegeu 638 prefeitos em várias cidades do Brasil. Em 2016, esse número caiu para 256, foi uma queda de 60%.
     Os impactos da Operação Lava - Jato não se limitam ao campo da política: atinge também o campo econômico. Por conta desta operação, a Petrobras está desmoralizada no Brasil e exterior, endossando o discurso entreguista daqueles que dizem que empresas petrolíferas estrangeiras devem explorar o pré-sal. É também graças à Lava - Jato que a economia do Brasil está instável e com um baixo crescimento do Produto Interno Bruto (PIB). O documentário "Destruição a jato" (veja aqui) procura questionar sobre os benefícios desta operação para o país e o que está por trás da mesma. Como exemplo, o documentário cita a expansão de empresas chinesas no Brasil após o declínio de companhias nacionais que entraram em crise econômica por não conseguirem empréstimos, uma vez que seus nomes estão relacionados aos escândalos de corrupção. O Procurador da República Eugênio Aragão participa do documentário e afirma que "a Lava Jato vai ter um saldo extremamente negativo na nossa economia, e esse é um saldo que nós teremos que pagar por algumas décadas". Além disso, ex-funcionários do estaleiro Enseada do Paraguaçu, que fica em Maragogipe, na Bahia, também aparecem no documentário e revelam como a operação resultou em uma crise econômica que causou um efeito dominó na cidade.

Conclusão

     A Operação Lava - Jato tem a finalidade de desmoralizar publicamente o PT, a ponto de o mesmo não conseguir mais se levantar. Uma vez que Dilma Rousseff foi reeleita em 2014, foi preciso afastá-la por meio de um golpe, onde a Lava - Jato e a atuação do juiz Sérgio Moro foram essenciais. Aliás, esse mesmo juiz em diversas audiências e atitudes se mostrou um juiz parcial, atentando somente para o PT e para o ex-presidente Lula, procurando a todo instante provas contra o político. Tal atitude leva Moro a ter um comportamento abusivo que tem gerado críticas no Brasil e no exterior. Além disso, a Lava - Jato está desestabilizando a economia do país, enfraquecendo as empresas nacionais, principalmente a Petrobras, que está com baixo valor no mercado, dando espaço para aqueles que acham que o pré-sal deve ser explorado por empresas estrangeiras. A direita que foi às ruas pedir o afastamento de Dilma Rousseff fizeram isso usando as cores verde e a amarelo, da bandeira do Brasil. Eles se dizem nacionalistas, mas na prática são entreguistas, uma vez que querem que a Petrobras e as empresas nacionais  sejam entregues ao capital estrangeiro. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Leia também:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...